domingo, 31 de julho de 2011

Tempesto

Esconde-esconde. Quanto mais se vai, mais se perde. Por entre as paredes, a névoa adentra. O mais claro é o mais escuro; o mais límpido, o mais opaco. As palavras soam estranhas, eu não consigo me ouvir. A madrugada me apetece. Mergulhando no que me confunde, tudo que sei é respirar água. Pro fundo caminho. Todas aquelas estrelas que costumavam me visitar à noite, não mais avisto. Não sei pra onde foram; perdi-me. E o que dizer diante desta janela absurda? Palavras são lançadas ao vento todos os dias, descartáveis como a contemporaneidade, tão estranhas quanto eu mesmo. Eu me desfaleço. As barbatanas, cansadas, repousam. Não que eu tenha desistido de caminhar, ou debulhar meu canto por aí, a única coisa de que preciso no exato instante é organizar as muralhas, separar os gravetos, catar as folhas de outono e redecorar o quarto. Revelo quem sou, despisto o tempo, hipnotizo meus problemas, e ainda assim sou um turbilhão de coisas e não sei por onde começar. Extremamente catártico, ligeiramente absurdo, masturbação de sonhos e um leve tom de melancolia. Coisas de noites de insônias, cachoeiras, pensamentos agitados e meandros. Meus azuis às vezes soam confusos, mas eu bem sei condensar meu asfalto. Liso, leve, solto. Não tão lindo assim. Coração azul. Janela aberta. Eu sei que tenho muito pra falar. Mas tudo que me cabe agora é o repouso... um vestígio de alma... um feixe de luz.

22 comentários:

  1. Muito bom o texto, intenso e com um jogo de palavras muito bem elaborado.
    Parabéns

    ResponderExcluir
  2. Renato.

    Tantas vezes senti vontade de falar, falar, falar, pra aliviar a alma. Transbordar tudo que me sufocava pela boca, pela pele,....

    E me senti assim:
    a única coisa de que preciso no exato instante é organizar as muralhas, separar os gravetos, catar as folhas de outono e redecorar o quarto.


    Eu tbm sei que tenho muito que falar, mas tudo que me cabe agora é o repouso.

    Simplesmente LINDO seu texto.

    Falou por mim!

    Um grande abraço

    ResponderExcluir
  3. Cara, ja comentei aki, mas nao canso de dizer que gostei muito do seu texto!

    ResponderExcluir
  4. adoreeei o blog e estou seguindo!!


    qnd tiver um tempinho, de uma passadinha no meu?


    bjooos

    http://cabecafeminina.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  5. Essa descer, descer em águas, mergulhar, pode bem ser um indício de um levantar novo de luz que se avoluma em forças. Este movimento de afundar me passa como imagem seguinte o despontar na superfície azul prateada das águas com um respiro e um sorriso novo, mesmo que só novo por um instante.

    Boas escritas ( e boas leituras) aqui nesse novo blogue é o que desejo.

    ResponderExcluir
  6. ah num faz mto meu estilo man
    mas sucesso pro blog

    ResponderExcluir
  7. As vezes se perder é o melhor caminho. Fiquei feliz de ter encontrado meu blog e me feito conhecer o seu talento. parabéns.

    ResponderExcluir
  8. Uma frase que eu sempre levo comigo: "a paz que procuramos muitas vezes está no silêncio que não fazemos"
    E é isso mesmo, as vezes temos vontade de fazer tanta coisa, falar tanto, que esquecemos de ponderar e perceber o que é melhor.

    Parabéns pelo blog, gostei do texto e do nome do blog :D

    ***
    Obrigada por visitar o Café de Fita
    E quanto ao documentário Corumbiara, acredito que esteja passando em outros cinemas.

    Até mais.

    ResponderExcluir
  9. O seu post me faz pensar na contradição que existe naturalmente no ser humano, sempre indo de um lado para o outro. Parabéns pela sua escrita.

    ResponderExcluir
  10. Olá! Vim aqui retribuir a visita e conhecer você.

    Às vezes repousar a voz no silêncio é pausa para retomar a direção dos sentimentos. Misturar sensações para encontrar sentido sugere sim contradições, mas a água flui na direção do encontro, nos leva aonde desejamos chegar, basta ouvir o seu som esclarecedor e seguir o seu curso.

    Incontáveis vezes ouvi palavras sem conseguir traduzi-las, talvez por ter sintonizado o som na estação errada. Respirar fundo e aguardar o tempo certo das coisas foi uma boa estratégia...

    Adorei seu texto e a forma de conduzir a palavra. Voltarei mais vezes.

    Obrigada pela sua visita lá e volte quando quiser.

    Beijos

    ResponderExcluir
  11. Lindo fragmento. Ou seria texto?
    Se for o segundo caso, tem fôlego, e mto, para se transformar numa longa narrativa. A confusão desse persongaem (ou seria sua?) é mto contemporânea causa instantânea identificação, pois também nos sentimos um pouco estranhos em qualquer lugar nos dias de hoje. As transformações sociais seguem numa velocidade maior do que a da percepção e adequação da intimidade humana, então ficamo superficiais. Mas no fundo, o drama é este aí.

    Tenho blogs literários também, passe num deles quando puder,
    Abraços!

    http://redutonegativo.blogspot.com
    http://biografias.fic.blogspot.com
    @rejane_marques

    ResponderExcluir
  12. Poético, filosófico...muito bom.

    www.bigodaostudio.blogspot.com

    ResponderExcluir
  13. Se for preciso, não se esconda para se perder, se esconda apenas por esconder. Depois pode ser difícil traçar o caminho de volta, sim, sempre tem volta.

    ResponderExcluir
  14. Cadê o comentario que eu fiz? :/ Adoro homens poetas. Ainda mais que tem uma inspiração que eu invejo, quem dera ter sido eu a escritora desse maravilhoso texto ai

    ResponderExcluir
  15. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  16. Posso colocar isso no meu 'quem sou eu' do orkut? Rsrsrs
    Vc escreve tão lindo, Ziggy. Tuas águas são de oceanos profundos.
    E eu me identifiquei tanto com este texto. Como se tivesse sido feito pra mim...

    Abraço.

    ResponderExcluir
  17. O seu texto é tão rico em palavras e sentimentos, que eu me perco no meio dele.
    Parabéns e ótima noite!

    ResponderExcluir
  18. vc escreve muito bem,adoro literatura, to te seguindo aqui no blog,se puder faz uma visitinha no meu?

    http://walking--with--strangers.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  19. Oi, Renato!

    Como é bom ser água que corre, que se perde no oceano... que como gota de chuva colore o céu em um belo arco-íris.

    Obrigada por ter molhado meu blog. Beijos!

    ResponderExcluir
  20. Renato,

    QUe turbilhão de sentimentos você apresenta nesse texto... O título é perfeito: TEMPESTO! Essa tempestade de sentimentos, sensações, inquietações, isso tudo que "assombra" a gente, e que com certeza cabe a qualquer pessoa. Parabéns, um texto cheio de enigmas, porém bem claro a quem como você, já passou por turbilhões em noites e noites a velar a escuridão da rua.

    Um abraço

    http://estacaoprimeiradosamba.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  21. Amei ...
    Fiquei sem palavras.

    Gostei muito do seu blog
    parabéns
    ...seguindo!
    Visita-me
    http://kroghaar.blogspot.com/
    Beijos no polegar

    ResponderExcluir